25.7.08

O negro e a moda: a Vogue brasileira

Naomi usando um macacão como uma segunda pele, felina em foto do consagrado fotógrafo francês David Bailey para a Vogue brasileira de julho/08

No cenário internacional a candidatura de Obama no EUA é um pré-texto também para as editorias de moda.

Aqui, em nosso quintal (ou no quintal deles?) sensíveis às reverberações midiáticas tivemos na Vogue Brasil uma capa com ela, Naomi Campbell.

Possuidora de uma carreira internacional, sólida e duradoura que a credencia como referência para toda revista de moda, sua beleza, estilo e personalidade a projetam como um ícone da beleza negra e fonte de inspiração para todas as artes.

Mas qual é o lugar da modelo negra na moda no Brasil?

Segundo a editora da Vogue Brasil Maria Prata repetindo o refrão, é o mercado quem dita as regras, se o consumo de luxo não tem consumidoras negras, as modelos negras não irão vender moda para consumidoras brancas.

Parece lógico!

E este discurso do mercado se apresenta como definitivo, sua lógica é irrecorrível!

Mas sendo este um discurso válido, até onde vale para o consumidor negro?

Ficam as questões: o consumidor negro é consciente de uma estética própria e de seu poder de compra para influenciar a indústria da moda?

Seriam as profissionais negras da área moda quem deveriam pressionar mais as indústrias e ao próprio consumidor negro destes valores?

Ou as duas iniciativas?

Nenhum comentário: