31.3.09

"Se a Michelle Obama alisa seus cabelos crêspos, porque não, eu também?"


-"Mamãe, porque a Michelle Obama alisa os cabelos?"
Essa é uma pergunta que as meninas da geração Obama certamente irão fazer a seus pais, além de quererem saber como eram o EUA antes do presidente Obama.


Michelle Obama: capa da revista Ebony


Michele Obama é uma grande mulher, competente, comprometida socialmente e bonita. Com o reforço de sua posição como primeira dama dos EUA, ela se tornou um ícone de um estilo de moda conservador mas que não deixa de ser referência para o 'mundo fashion'.


Michelle Obama e Oprah Winfrey na capa de Oprah Magazine

Michelle Obama na capa da Vogue americana

7 comentários:

Fernanda disse...

Adorei... eu aliso tbm, não consigo aguentar meu cabelo muito crespo, nao dá! Bjo

afronzinga disse...

O que achei interessante na reportagem, além lógico da solidariedade existente entre o grupo, foi que cada uma teve a sua opção de cabelo de trancinhas, escovas e outros. Hoje é isto podemos ter opção de usar o nosso cabelo como quisermos, desde tranças, apliques, alisados, pintados ou o crespo natural.
O que temos que aprender é exigir qualidade e informações corretas dos produtos voltados para nos atender, que muitas vezes são de pessima qualidade.Graça

Comissão de Comunicação e Divulgação da 2º CONFERÊNCIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL disse...

Temos que mostrar não somente aqueles grupo de mulheres negras da Zona Leste, assisti a matéria e gostei, mas quero que mostrem as trançadeiras e alizadeiras dos anos
40,50,60,70,80 até hoje que deram certo trabalhando em suas casas, em salões, criando seus filhos com o trabalho do cabelo alizado com pente quente e hoje com chapinha que milhares de pessoas de outras etnias ficavam horrorizadas?
E hoje esquentam suas chapinhas e os bobs lys nas tomadas até sairem fumaças? Mas o bom de tudo isto é que a maioria hoje são Micro empresárias e comerciantes de cabelos e produtos de beleza para negros, foram buscar nos Estados e no Exterior diversas formas de cuidar de nossa beleza afro.

Egbonmy Conceição Reis de Ógùn
Coordenadora INTECAB-SP

Roseane, disse...

Legal, gostei também!

Tássia Correia disse...

Achei muito boa a construção do post. Várias refrências. Mas continuo achando que ea ficaria muito mais bonita com o blck poderoso!

Marcelo C.Henrique disse...

Parabéns pela observação! Abraços

Helio Ventura disse...

Antes de mais nada, gostaria de dizer que cada um tem o direito de buscar o visual que melhor lhe agrade, inclusive referente aos cabelos. Mas precisamos refletir sobre o contexto de tudo. Vejamos: Michelle Obama é uma mulher estadunidense, onde o processo de afirmação e elevação da auto-estima do afro-americano ocorre há mais de 40 anos. Os afro-americanos tem orgulho de serem como são, não se negam. Já no Brasil, somente agora, e sob polêmicos protestos, inicia-se este processo de construção de uma identidade étnica negra positiva. Ainda hoje é comum vermos o negro e tudo que se refere a ele como inferior, ruim ou do mal (cor, aparência, cabelo, religiosidade...). Onde quero chegar? como disse de início, todos têm o direito de se sentir bem. Mas o que diferencia uma mulher negra brasileira de uma afro-americana? É que a afro-americana nãoalisa o cabelo por achar que o cabelo dela é ruim e feio, mas porque é apenas mais uma alternativa dentre uma gama de possibilidades dela se produzir. Então eu coloco aqui: o problema não é alisar o cabelo, mas achar que somente o cabelo alisado é bonito. Reflitamos, pois a ideologia do branqueamento universaliza um padrão de beleza europeu como único, e acabamos perdendo a beleza da inúmeras possibilidades da diversidade.
Helio Ventura* - (21) 9193-1094 / helioventura@gmail.com
*Cientista Social; ativista do Movimento PVNC - Pré-Vestibular para Negros e Carentes; membro do COMDEDINEPIR - Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Negro e Promoção da Igualdade Racial e Étnica de Duque de Caxias