10.2.11

Lázaro Ramos - Personagem negro em Insensato Coração

Lázaro Romos é o ator negro intérprete de André Gurgel, um dos protagonistas de Insensato Coração telenovela das 21 horas da TV Globo.

Na vida real André Gurgel poderia ser um negro bem sucedido profissionalmente e tímido com as mulheres? É possível que um homen negro tímido tenha sucesso numa carreira extremamente competitiva?
Sim e não. Na vida real nossos personagens são mais complexos e surpreendentes que na ficção e mais ainda numa telenovela.
O personagem André Gurgel da telenovela “Insensato Coração” escrita por Gilberto Braga pode por princípio ser aquilo que seu autor determinar já que a novela não tem por definição qualquer compromisso com a realidade. A telenovela se nutre da realidade ao representar uma ‘estória’ mas a verosimilhança é e será sempre questionável. Como afirma o autor Gilberto Braga telenovela não é documentário.
Por outro lado, a realidade da qual se nutre a telenovela para representar suas ‘estórias’ possui um contexto que a torna reconhecida e que a distingue do irreal e do inverrossímil, caso contrário, não seria também telenovela. 
O compromisso da telenovela com a realidade e de mão dupla, por um lado, é uma ficção e por outro se apoia na realidade verossímil para se tornar - não real - mas compreenssível à audiência.
Como produto da cultura de massa, como fenômeno televisivo, a telenovela tem o compromisso da grande audiência conseguida ou mantida através simulação da realidade que consegue encantar ao público.
Uma telenovela pode até desagradar a uma outra faixa minoritária de público ou de opinião, só não pode desagradar a muitas faixas da audiência. 
Lázaro Ramos e Camila  Pitanga em Insensato Coração

As opiniões e manifestações sobre que o personagem negro André Gurgel não tenha sofrido qualquer tipo de rejeição racial ou ofensa racista é uma opinião minoritária ou majoritária entre o público ou tem proporção equivalente na audiência? Ou ao contrário, é algo que possa passar despercebido pelo maioria do público?

A questão talvez esteja bem exemplificada pelo próprio autor Gilberto Braga quando pede “Quero escrever a minha história em paz com meus companheiros”. Esta foi a reação do autor à polêmica que se forma pelo fato de que o personagem negro mulherengo não encontra resistências entre as mulheres por ser negro ou se veja envolvido em qualquer situação em que pudesse ser percebido como um negro comum como um alvo mais fácil do preconceito racial.
Lázaro Ramos e Debora Secco em Insensato Coração

Ao contrário, André Gurgel vive num mundo de fantasias em que todas as portas estão mais ou menos abertas não em função de sua cor da pele mas pelo seu prestígio e charme.
Gilberto Braga em outras palavras pede que o tratem como ao público ao qual se dirige, passivo e fantasioso do qual não se deve exigir muito para não cansar ou complicar demais. Afinal, a cultura de massa, os produtos da cultura da mídia, do noticiário à telenovela exigem que o compromisso com a realidade seja o menor possível. 
É exatamente sobre isso que se insurge a crítica dos especialistas e de parte da audiência que não aceita que sobre a fantasia da telenovela o ‘happy end” venha antes do último capítulo. André Gurgel é inverossímil demais nos dias de hoje para uma telenovela brasileira. Parece que o Gilberto Braga não se deu conta de que a audiência está mudando e por ajuda também das próprias telenovelas, diga-se de passagem, exigindo que certas situações estejam mais próximas de sua realidade do que das fantaisas elaboradas nos estúdios da tv.

* No Portal R7 há uma pesquisa na matéria com o novelista Gilberto Braga sobre a existência de uns possíveis André Gurgel no Brasil onde as opiniões estão bem divididas.

4 comentários:

PADÊ disse...

NAO ASSISTO A NOVELA, MAS JÁ OUVI COMENTÁRIOS DO TIPO:" ELE É FEIO DEMAIS PARA SER PEGADOR", "ELE É FEIÃO"... NO BUZZ JÁ ROLOU UM MICRO-DEBATE SOBRE ISSO. O BRASILEIRO MEDIANO NÃO SABE COMO LIDAR COM UMA MUDANÇA ESTETICA, IMAGINE COM MUDANÇAS POLÍTICAS? SÓ O FATO DE A PERSONAGEM SER TRATADA COMO NÃO-NEGRA JÁ É UMA MOSTRA DO TAMANHO DO RACISMO. MAS OS NOVELISTAS NAO VIVEM DIZENDO QUE TÊM COMPROMISSO COM CAUSAS SOCIAIS, AINDA MAIS QUANDO É NO HORARIO NOBRE? O COBATE AO RACISMO NAO É UMA CAUSA SOCIAL?

Leonio Matos disse...

As novelas globais ou fazem personagens negros como escravos (onde poucos personagens questionam e buscam mudanças) ou profissões subalternas e submissas. Quando finalmente criam personagens que fogem a esses estereótipos, esses negros são transformados em negros que não se enxergam como negros, onde as situações não representam a realidade vivida por milhares de negros em nossa sociedade. A meu ver seria ali, em horário nobre, onde poderiam ocorrer os maiores debates sobre a situação do negro em nossa sociedade, Mas não é um documentário, como foi dito, mas a concessões públicas de rádio e TV, são dadas não somente para entreter, mas também para despertar o senso crítico e o pensamento autônomo. Sim, ele tem que ter o compromisso com a realidade com as causas justas e com valores democrático. Saudações.

Eliana Black disse...

Definitivamente os autores não sabem tratar as questões de preconceita racial em seus boletins. Ou nos colocam submissos, com profissoes inferioes, como escrav@s conformados e agora na nova modalidade com begritude invisivel. Isso já aconteceu na última novela de Manoel Carlos, onde a protagonista era negra, mas não sofreu qualquer tio de conflito ou questionamento durante o desenrolar da trama, mesmo fazendo arte d eum universo não negro. Agora André Gurgel, passa pela mesma "invisibiladade". Bem sucedido e "pegador", nem de longe vê sua negritude e exuberancia negra ser citação. Ficção.

Memorial Lélia Gonzalez disse...

Mui estimado amigo,

É engraçado que Marcuse e Mac Luhan trataram do fenômeno da manipulação da "cultura de massa" em um aspecto crítico que, ao que percebemos, todas as media que querem fazer dinheiro usam este mesmo aspecto crítico para dar a volta na consciência e praticar, da maneira mais desavergonhada, a manipulação das massas!!!

Quanto à sua afirmativa de que "a audiência está mudando e por ajuda também das próprias telenovelas...", gostaria eu de ver isso e de acreditar nisso. Bem... sendo isto verdade, ao menos "a audiência" não desliga a televisão, deixando-a ligada e dando pontos naquele controle permanente que liga cada aparelho à contagem dos "ibopes".

Quanto à redeglobo e seus autores / diretores, já acabou o tempo de Dias Gomes e Janete Clair... A arrogância desses autores/diretores que entendem "divertir" como manipulação de mentes precisa ter um ponto final para o qual não vejo indicação, a não ser nossas vozes e ações.

Para finalizar e dentro da redeglobo, vale observar nossa postagem, também de hoje, onde o racismo é tão explícito que só ilude a eles mesmos, exatamente como você demonstra em seu texto. A postagem está que demoninamos de "Incidente episódio em programa infantil" está em Memorial Lélia Gonzalez Informa - http://leliagonzalez-informa.blogspot.com - ou diretamente: http://leliagonzalez-informa.blogspot.com/2011/02/incidente-episodio-em-programa-infantil.html. Chamamos "incidente" no sentido de incidir mesmo.

Abraço,
a Luta continua, é árdua, mas será vencida, na Fé...
Ana
MLG